Criptomoedas: não é um jogo para amadores

Criptomoedas: não é um jogo para amadores

 

Por Daniel de Oliveira - Head de Operações da B&E

As criptomoedas, sem dúvida, fazem parte de um mercado com alta volatilidade, que está muito além da nossa capacidade de poder acompanhar. Mas nestes últimos dias, não paramos de ouvir sobre moedas virtuais e vários gurus de investimento falando sobre como aplicar nesse mercado, que ainda está à margem de ser regularizado em nosso país.

Podemos afirmar que o mês de dezembro de 2017 foi especial para todos que acreditam em criptomoedas: tivemos altas consecutivas de várias moedas, tais como Bitcoin, Ethereum, Bitcoin Cash, Iota e tantas outras.

Uma mudança que poderia explicar essa euforia no mercado passa bem longe do nosso país, mais precisamente na Bolsa de Chicago, quando informaram que aceitariam negociar criptomoedas no mercado futuro, de forma regulamentada, com a possibilidade de negociações de derivativos financeiros com contrato de Bitcoin. Essa notícia pode fundamentar, e muito, a explicação das várias disparadas que algumas moedas tiveram no mês.

Não menos importante, o avanço de testes dos chineses nesse tipo de tecnologia fez também com que essas moedas tivessem um desequilíbrio no real valor de mercado.

Quando tudo parecia ser uma festa e que os lucros não parariam de aparecer (para os desavisados), aconteceu uma supervalorização acima de qualquer país emergente. A cotação do Bitcoin que era de $9.966,00 dólares no começo do mês, segundo o CoinMarketCap, chegou ao pico de $ 20.089 dólares trazendo uma valorização de 101%.

Até que chegou a sexta-feira, 22 de dezembro de 2017, o dia de queda livre para quase todas as moedas virtuais. E com o Bitcoin não foi diferente.

Não podemos deixar de fora dessa equação algo que, sem dúvida, contribuiu para a queda: o grande número de realizações feitas por quem tinha posição nessa moeda.

Nesse cenário, muito difícil fazer alguma previsão de quando a moeda subirá novamente, aumentando assim o seu valor de mercado ou quando será o momento de desespero em queda livre como esse fatídico dia.

A grande dificuldade para se prever esse tipo de moeda é o que chamamos de falta de lastro financeiro, o que deixa a moeda com uma volatilidade enorme. Dessa forma, tornamos o cenário confuso sobre qualquer previsão, trazendo essa impressão de pirâmide financeira ou algo do tipo.

Pois bem, fica aqui um ditado popular muito conhecido:

“Quando a esmola é demais o santo desconfia.”

Traduzindo: cuidado com qualquer forma de multiplicação de ganhos de forma exponencial sem muito trabalho.

De toda forma, não deixe de entrar nesse mercado. Vale a pena investir, mas sem esquecer daquela importante dica de investimento: “nunca deixe todos os ovos no mesmo cesto”.

E não deixe de seguir a B&E no Facebook, Instagram e LinkedIn para acompanhar tudo que está acontecendo no universo do marketing, da tecnologia e inovação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *